A “classe -que -vive -do –trabalho” e o uso do álcool e outras drogas: uma necessária problematização no contexto da reestruturação produtiva do capital.

A “classe -que -vive -do –trabalho” e o uso do álcool e outras drogas: uma necessária problematização no contexto da reestruturação produtiva do capital.

Rúbia de Kássia

Resumo


A reestruturação produtiva do capital acarreta a intensificação da exploração da força de trabalho e tem implicações relacionadas à saúde. A relevância do artigo centra-se na necessidade de problematizar as categorias trabalho e drogas no limiar das contradições tecidas pelo modo de produção capitalista. Metodologicamente pretende-se debater a questão com base na argumentação tecida por uma pesquisadora que discute drogas e gênero (MORAES, 2012; MORAES, 2010), e uma produção que versa acerca dos conceitos de trabalho e risco (SILVA, 2013), além da inclusão da análise de diplomas legais (BRASIL, 2012a; 2008b; 2001c). Objetiva-se analisar as implicações do contexto da reestruturação produtiva do capital sobre a “classe-que-vive-do-trabalho” (ANTUNES, 2010) e como este pode condicionar o lazer, ou fuga do ambiente do trabalho, ao uso abusivo do álcool e outras drogas (SILVA, 2013). Afirma-se que substâncias psicoativas funcionam como amortecedoras da exacerbada exploração da força de trabalho, engendradas no bojo da acumulação flexível.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.