Na derrocada da cana-de-açúcar, o surgimento do Nordeste: literatura, cultura e fome

Na derrocada da cana-de-açúcar, o surgimento do Nordeste: literatura, cultura e fome

Kétura de Souza Lins, André Luiz de Miranda Martins

Resumo


A construção do Brasil que conhecemos em 2016 nem sempre foram bem definidas asgrandes regiões. O conceito das divisões que nos são comuns, no Século XX eram motivos dedebates políticos acalorados e inúmeras teses que abrangiam tanto o regionalismo históricocomo o regionalismo natural. O Brasil durante todo o Século XX foi tido como um país deduas regiões, uma compreendida como área nobre. E outra portadora de um contraste brutalcom a primeira, sendo pobre, seca, formada por uma população de baixo desenvolvimentointelectual e físico. O regionalismo histórico encabeçado principalmente por Gilberto Freireteoriza que o surgimento do Nordeste é proveniente das relações sociais e culturais. Comodesta grande região surgiu o Nordeste, que relatos possuímos que nos permita contrapor que aregião nordeste não existe apenas como uma demarcação em termos geográficos? Emboramuito se discuta qual das ideologias produziu e construiu o Nordeste, mas este é fruto damanutenção da ideologia dos dominantes, sejam estes intelectuais, latifundiários ou políticos ede seus discursos.

Referências


ABUD, K. M. Registro e Representação do cotidiano: A música popular na aula de história.

Caderno Cedes. Campinas: Unicamp, vol. 25, n.67, set/dez. 2005.

ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4ª ed. São

Paulo: Moderna, 2009.

ARENDT, H.O que é política? 4ª ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro: 2003.BARROS, J. A.

O projeto de pesquisa em história: da escolha do tema ao quadro teórico. Editora Vozes,

Petrópolis: 2015.

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar: 1810-1910. Autêntica, Belo Horizonte:

BLOCH, M. Apologia da História, ou o Ofício do Historiador. Tradução de André Telles,

Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro: 2001.

BOURDIEU, P. O poder simbólico.7ª ed.Bertrand Brasil, Rio de Janeiro: 2004.

CARVALHO, Z. C. Rosto e Mascara do Senhor de Engenho de Pernambuco (1822-1888).

Recife: Fundação Joaquim Nabuco – Editora Massangana, 1988. CASTRO, J. Geografia da

fome, 11ª Ed. Rio de Janeiro: Gryphus, 1992.

DABAT, C. R. Moradores de engenho: relações de trabalho e condições de vida dos

trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco segundo a literatura, a

academia e os próprios autores sociais. Recife: ed. Universitária da UFPE, 2007.

DEMO, P. Introdução à metodologia da ciência. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1985.

DURKHEIM, E. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

DURKHEIM, E. A Divisão do Trabalho Social. Martins Fontes: São Paulo, 1995.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato brasileiro. 3ª Ed., Globo, São

Paulo: 2001.

FEATHERSTONE, M. Cultura de consumo e pós-modernismo. Studio Nobel, São Paulo:

FERLINI, V. L. A. A civilização do açúcar. 11ª ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Editora

Brasiliense, 1998.

FOUCAULT, M.Microfísicadopoder.Edições Graal, Rio de Janeiro: 1995.

FURTADO, J.P. A musica popular brasileira dos anos 60 aos 90: apontamentos para o estudo

das relações entre linguagem e práticas sociais. Pós-História: Revista de Pós-Graduação

em Historia, Assis: 1997.

FRANCO, G. H. B.; FARNAM, H W. Shakespeare e a Economia. [tradução do texto de

Farnam por Pedro Maia Soares e dos trechos da obra de Shakespeare por Barbara Heliodora].

Jorge Zahar Ed., Rio de Janeiro:2009.

GOHN, M.G.; História dos movimentos e lutas sociais: a construção da cidadania dos

brasileiros. Loyola, São Paulo: 1995.

GRAMSCI, A. ConcepçãoDialética da História. 7ª Ed.,Civilização BrasileiraRio deJaneiro:

HOBSBAWM, E. A era dos extremos. O breve século XX (1914-1991). Companhia das

Letras, São Paulo: 2006.

HOLANDA, S. B. Raizes do Brasil. 26ª edição, 14ª reimpressão.Companhia das Letras, São

Paulo: 1995.

LUCA, T. R. Historia dos, nos e por meio dos periódicos. In Fontes Históricas. Carla

BassaneziPinsky (organizadora) – 3ª Ed. Contexto, São Paulo: 2011.

MARX, K. & ENGELS, F. A ideologia alemã.MartinClart, São Paulo: 2004.

SANDRONI, P. Novíssimo Dicionário de Economia. Editora Best Seller, São Paulo: 1999.

SCOVILLE, A.L.M.L. Literatura das Secas: Ficção e História. Tese apresentada como

requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Letras, área de concentração de Estudos

Literários, Programa de Pós-Graduação em Letras,Setor de Ciências Humanas,Letras e Artes,

Universidade FederaldoParaná.Curitiba, 2011.

SHARPE, J. A história vista de baixo. In: A Escrita da História: novas perspectivas. Org.

Peter Burke; tradução: Magda Lopes. 7ª Ed. Unesp, São Paulo: 1992.

THOMPSON, E. P. Costumes em Comum: estudo sobre a cultura popular tradicional.

Tradução: RosauraEichemberg.5ª Ed. Companhia das Letras, São Paulo: 2011.

WEBER, M. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo, Companhia da

Letras, 2003.

___________. Sociologia da Dominação.InEconomia e Sociedade:fundamentos da

sociologia compreensiva.Volume 2. Tradução de Regis Barbosa e Karen Barbosa. Editora

Universidade de Brasília, Distrito Federal: 1999.

WILLIA


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.