Dívida pública brasileira nos tempos do Império: um estudo dos empréstimos realizados pelo Brasil e como se dava a distribuição das receitas e despesas entre as regiões

Dívida pública brasileira nos tempos do Império: um estudo dos empréstimos realizados pelo Brasil e como se dava a distribuição das receitas e despesas entre as regiões

Johnathan Santos Monteiro, Artur Gilberto Garcéa de Lacerda Rocha

Resumo


O Império do Brasil era obrigado a viver de empréstimos realizados ao exterior, principalmente à Inglaterra, parafinanciar seus déficits, uma vez que a arrecadação interna não era suficiente para cobrir todas as despesas dogoverno. Partindo do pressuposto de que o Brasil não tinha condições de arcar com suas dívidas, este trabalhoobjetiva-se analisar de que forma o país conseguia recursos para arcar suas despesas, a quais setores os recursoseram direcionados, de que forma eram pagos e como se dava a distribuição das receitas e a arrecadação do podercentral. Para isso iremos, através de documentação direta do governo imperial do século XIX e através deestudos existentes acerca do Império do Brasil, verificar essas informações e entender a situação financeira doBrasil nos primeiros anos de sua independência.

Referências


ARIENTI, Wagner Leal. A teoria tributária de Adam Smith: Uma Revisão. Textos de

economia, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 43-58, jan. 1987.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Formação da diplomacia econômica no Brasil: as relações

econômicas internacionais do Império. São Paulo: Editora Senac-Funag. 2001a.

_________________________. A diplomacia financeira do Brasil no Império. Associação

Brasileira de Pesquisadores em História Econômica, Revista História Econômica e

História de Empresas, v. 4, n. 1, 2001b.

BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. A província – estudo sobre a descentralização no

Brasil. 2ª ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1937.

BRASIL, Ministério da Fazenda do. Exposições contendo as principaies disposições sobre os

artigos da receita do império, organizada de acordo com a Lei do Orçamento n.

140, de 30 de outubro de 1882 para o exercício de 1882-1883 e 183-1884. Rio

de Janeiro: Typographia Nacional, 1884.

CALDIERA, Jorge. Mauá, empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CAMPELLO, André Emmanuel Batista Barreto. Direito constitucional tributário no Império

do Brasil. Revista da AGU, v. 11, n. 31, 2012.

CARREIRA, Liberato de Castro. Historia Financeira e Orçamentaria do Imperio do Brazil.

Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1889.

CAVALCANTI, Jacob. Histórico da Dívida Externa Federal. Rio de Janeiro: Imprensa

Nacional, 1923.

CERVO, Amado Luiz. Política exterior e relações internacionais do Brasil: enfoque

paradigmático. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 46, n. 2, Brasília,

DEVEZA, Guilherme. Política tributária no período imperial. In: Buarque de Holanda,

Sérgio (dir.), História Geral da Civilização Brasileira. 4ª ed. Tomo II, 4º volume.

São Paulo: Difel, 1985.

DOLHNIKOFF, Miriam. Entre o centro e a província: as elites e o poder legislativo no

Brasil oitocentista. Almanack Braziliense, n. 01. Universidade de São Paulo, São

Paulo, 2005.

FARIA, Alberto de. Mauá. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1933.

JAVARI, Barão de. Organizações e programas ministeriais: regime parlamentar do Império.

ª ed.; Rio de Janeiro: Arquivo Nacional do Ministério da Justiça e Negócios

Interiores, 1962.

LEFF, Nathaniel H. Subdesenvolvimento e Desenvolvimento no Brasil, vol. I: Estrutura e

Mudança Econômica, 1822-1947; vol. II: Reavaliação dos obstáculos ao

desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1991.

LIMA, Manoel de Oliveira. O Império Brasileiro, 1822-1889. Nova ed.; Brasília: Editora

Universidade de Brasília, 1986.

MANZUR, Tânia Maria Pechir Gomes. Opinião pública e política externa do Brasil do

império a João Goulart: um balanço historiográfico. Revista brasileira de política

internacional, vol.42 no.1 Brasília, 1999.

MAUÁ, Irineu Evangelista de Sousa, Visconde de. Autobiografia. “Exposição aos credores e

ao público” seguida de “O Meio Circulante do Brasil”. Rio de Janeiro: Zélio

Valverde, 1942.

ÓNODY, Oliver. A inflação Brasileira, 1820-1958. Rio de Janeiro: s.e., 1960.

ROCHA, Artur Gilberto Garcéa de Lacerda. Discursos de uma modernidade: As

transformações urbanas na freguesia de São José (1860-1880). Dissertação.

Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

VILELLA, André. Distribuição regional das receitas e despesas do Governo Central no II

Reinado, 1844-1889. Estud. Econ. vol.37 no.2, São Paulo, 2007.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.