A importância do reconhecimento profissional para a motivação dos colaboradores

A importância do reconhecimento profissional para a motivação dos colaboradores

Amanda Kelly Gomes

Resumo


O trabalho é entendido como uma atividade central na vida do homem, pois é dele que provem a sua sobrevivência. Nesse processo, o ser humano entende que o reconhecimento de seu trabalho é uma maneira de tornar suas atividades mais prazerosas e produtivas, logo se sente motivado a contribuir para o crescimento da organização em que está inserido. Neste sentido, o presente estudo visa apontar a influência do reconhecimento profissional no processo que envolve a motivação dos colaboradores de uma organização. Diante da busca para responder tal problemática, este estudo adotou como método a pesquisa qualitativa bibliográfica que oferece informações de inúmeros autores comprometidos com a temática em questão. Como achados dessa pesquisa, observou-se que o reconhecimento profissional tem grande influência na motivação dos colaboradores. Essa influência tem como um dos principais resultados o aumento de produção, mostrando que uma visão voltada para o capital humano por meio de recompensas positivas, elogios, feedbacks, entre outros processos, acabam por facilitar novas posturas e tarefas que contribuem significativamente para o crescimento profissional do empregado, bem como para o crescimento das organizações que adotam essa visão como forma de gestão.


Referências


ARENDT, H. A condição humana 5 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

BERGAMINI, C. W. Motivação nas organizações. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

BERGAMINI, Cecília W. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. São Paulo: Atlas, 1997, p. 23-46.

CHIAVENATO, I Comportamento Organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações – 2ª Ed. - Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando pessoas: o passo decisivo para a administração participativa. São Paulo: Markon Books, 1994, 1992.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas. 3.ed rev. atual. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2008.

DRUCKER, P.F. Administrando para o futuro: os anos 90 e a virada do século. São Paulo: Pioneira, 1992.

FLEURY, M.T. As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002.

FREITAS, H. M. R., CUNHA, M. V. M., Jr., & Moscarola, J. (1997). Aplicação de sistemas de software para auxílio na análise de conteúdo. Revista de Administração da USP, 32(3), 97-109.

GIL, A. C.. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo:Atlas, 2001.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

HERSEY, Paul. Psicologia para administradores: A teoria e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU, 1986.

HUNTER, J. C. O Monge e o executivo: Uma história sobre a essência da Liderança. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

KNAPIK, J. Gestão de pessoas e talentos. 2. Ed. Curitiba: Xibpex, 2008.

KOUZES, James M e POSNER, Barry Z. O Desafio da Liderança. Rio de Janeiro: Campus, 1997. 7ª edição.

MALHOTRA, N. Pesquisa em Marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MAXIMIANO, A. C. A. Introdução a administração. São Paulo: Atlas, 2000.

MAXIMIANO, A.C.A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 6 Ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MEDEIROS, J. R. O amor renovando o trabalho. 3.ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

MELO, P. A. A.. Dimensões Funcionais da Gestão de Pessoas. 9.ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2010.

MENDES, A. M. B. Aspetos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. Psicol. Cienc. Prof., v. 15, n. 1-3, p. 34-38. 1995. Disponível em: http://www.unifra.br/eventos/sepe2012/Trabalhos/6855.pdf. Acesso em: 20/03/2016.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

MOTTA, F.C.P.; VASCONCELOS, I.F.G. Situando o pensamento administrativo: as Escolas de Administração e o Paradigma Desenvolvimentista. In: MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Thomson, 2002.

RAMALHO, C. M. “Lazer na empresa: uma via para a responsabilidade éticosocial”. In: MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e empresa. Campinas: Papirus, 1999.

ROBBINS, S.. Administração: Mudanças e Perspectivas. Editora Saraiva, 2002.

ROBBINS, S.. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2002.

SCHERMERHORN, J.R. Jr. Administração. 5ª Edição. Rio de Janeiro: Editora LTC – Livros Técnicos e Científicos S.A., 2001.

SEBRAE. Trabalhador reconhecido fica mais motivado. 2009. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/Trabalhador-reconhecido-fica-mais-motivado. Acesso em: 19/03/2016.

SROUR, R.H. – Ética Empresarial – A gestão da reputação. Rio de Janeiro, Campos, 2003.

STEFANINI, C.J. Área Temática: Recursos Humanos – Motivando Sem Dinheiro. São Paulo: Faculdade das Américas, 2007.

VASCONCELOS, A. F. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e perspectivas. Cadernos de Pesquisa em Administração, v.8, n.1, p. 23-35, 2001. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd136/qualidade-de-vida-do-trabalhador.htm. Acesso em: 22/05/2015.

VERGARA, S.C. Gestão de Pessoas. 2º ed. São Paulo: Atlas, 2000.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.