O trabalho das mulheres cisterneiras como alternativa para convivência com o semiárido do Sertão do Pajeú, Pernambuco : Extensão rural e Resistência

O trabalho das mulheres cisterneiras como alternativa para convivência com o semiárido do Sertão do Pajeú, Pernambuco : Extensão rural e Resistência

Giselle Gomes Souza, Irenilda Souza Lima

Resumo


A presente pesquisa focaliza analisar o trabalho de mulheres agricultoras familiares que, na diversidade de trabalho que executam, também constroem reservatórios de água denominadas cisternas. O trabalho das mulheres se constitui numa estratégia de resistência no âmbito das alternativas para o convívio com o semiárido, no apoio de políticas públicas de atendimento pela extensão rural para mulheres no Sertão do Pajeú, no município de Ingazeira – Pernambuco – Brasil. Na metodologia, indica-se que se trata de uma pesquisa qualitativa com uso de observação direta, entrevistas com roteiro semiestruturado e análise documental. No resultado inicial, verificou-se ser esta atividade uma possibilidade de renda para algumas mulheres sertanejas e traz subsídios para as reflexões sobre temas como divisão sexual do trabalho, participação das mulheres na sociedade e a crescente luta pela garantia de Direitos e transformação de vidas .


Referências


BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2010. Disponível em:

< http://www.ibge.gov.br>. acesso em: 10 jun 2016.

________. Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural de 2004. Ministério do Desenvolvimento Agrário, Poder Executivo, Brasília, DF, 2004.

CALLOU, A. B. F. (org.). Comunicação rural e o novo espaço agrário. São Paulo, Intercom. (Coleção GT Intercom, nº 8),1999.

CAPORAL, F. R. Agroecologia não é um tipo de agricultura alternativa. In: CAPORAL, Francisco Roberto (coord.). Extensão rural e agroecologia: para um novo desenvolvimento rural, necessário e possível. Camaragibe, PE: Ed. do Coordenador, 2015.

CHAUI, M. Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária. 7.ed. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo,2007.

CISNE, M. Gênero, Divisão Sexual do Trabalho e Serviço Social.2.ed. São Paulo: Outras expressões,2015.

DE JESUS,P. Desenvolvimento local. In: CATTANI,A.D.(org.) A outra economia. Porto Alegre: Vaz Editores,2003.

DE JESUS,Paulo.; LEMOS,H. Desenvolvimento industrial e conflitos de terra: desafíos do desenvolvimento local frente à questão fundiária entre a comunidade de Massangana e o Complexo Industrial de Suape –PE. Geotextos,v.11,n.2,dezembro,2015.

DE MASI,D. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Ed. Sextante,2003.

EVANGELISTA,J. Saneamento básico. Uma questão de Direitos Humanos In: Semiárido brasileiro: um capítulo à parte. Série Compartilhando Experiências.n.06.Abril,2012.

FREIRE,P. Extensão ou Comunicação? 13. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1977.

JALIL, L.M. As Flores e os Frutos da Luta: o significado da organização e da participação política para as trabalhadoras rurais. Tese, UFRRJ, Rio de Janeiro, 2013.

LIMA, I.S.; ROUX, B. As estratégias de comunicação nas políticas publicas de assistência técnica e extensão rural para a agricultura familiar no Brasil. In: CIMADEVILLA, Gustavo. Comunicacion, Tecnologia y desarollo. Argentina: Editora da Universidad Nacional de Rio Cuardo. 2008.

MÉSZÁROS,I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo,2002.

NOBRE, M. Mulheres na Economia Solidária. In: CATTANI,A.D.(org.) A outra economia. Porto Alegre: Vaz Editores,2003.

QUEIROZ,M.I.P. de. Historia, história oral e arquivos na visão de uma socióloga. In:MORAES,M. História oral. Rio de Janeiro: Diadorim;FINEP,1994

SANTOS, M. O retorno do Território. In Território: globalização e Fragmentação. 4ª ed, São Paulo: Ed. Hucitec,1998.

SCOTT, J.W. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez.,1995.

VEIGA, José Eli da. A Face Rural do Desenvolvimento. Porto Alegre: Ed. Universidade, 2000.

WANDERLEY, M.N.B. A emergência de uma nova ruralidade nas sociedades modernas avançadas. – O “rural” como espaço singular e ator coletivo. revista Estudos, sociedade e agricultura,15, outubro 2000. Rio de Janeiro: UFRJ.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.