Justificativas para automutilação: estudo exploratório com adolescentes de escolas municipais da cidade do Recife

Justificativas para automutilação: estudo exploratório com adolescentes de escolas municipais da cidade do Recife

Pedro Paulo Viana Figueiredo, Alice Rodrigues Soares, Cybelle Macena de Araújo, Henrique Landim Santos, Patrícia Rafaelly Barros Magalhães, Pauline Santos de Freitas

Resumo


Este artigo busca compreender e analisar relatos sobre a prática da automutilaçãoem adolescentes de duas escolas municipais da cidade do Recife/PE. Trata-se dorecorte de uma pesquisa, realizada no âmbito de Iniciação Científica da Faculdadede Ciências Humanas Esuda que tem por objetivo compreender os discursos deprofessores e alunos de escolas públicas estaduais em Recife sobre automutilação.Como instrumento de produção de informação foi utilizado um questionáriocomposto de doze perguntas, aplicados em 214 estudantes dessas duas escolas. Apartir do material produzido nas respostas dos questionários, analisamos o mesmodescritivamente, nas perguntas fechadas e qualitativamente na pergunta aberta,tendo como aporte teórico-metodológico a Psicologia Social Discursiva.

Referências


ARAÚJO, Juliana Falcão Barbosa de; CHATELARD, Scheinkman Daniela;

CARVALHO, Isalena Santos; VIANA, Terezinha de Camargo. O corpo na dor: automutilação, masoquismo e pulsão. Estilos clin., São Paulo, v. 21, n. 2, maio/ago.

, 497-515.

BELÉM, Rosemberg C.; LIRA, Everson S. de; SILVA, Heidy D. N.; PESSOA,

Karollaynne A.; ARAÚJO, Luiz F. F.; SOARES, Solange E. de M. Representações Sociais sobre Automutilação para Adolescentes da Rede Estadual de Ensino de Recife. No prelo.

BHANDARI, Smitha. What Is Self-Injury Disorder? WebMd, 21 de Fev de 2018. Disponível em: https://www.webmd.com/anxiety-panic/guide/self-injuring-hurting Acesso em 16 Dez 2018.

BILLIG, M. Argumentando e Pensando: uma abordagem retórica à Psicologia Social. São Paulo: Vozes, 2008.

BRASIL. Lei n. 8.069 de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: instrutivo notificação de violência interpessoal e autoprovocada [Internet]. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/viva_instrutivo_violencia_interpessoal_autoprovocada_2ed.pdf Acessado em: 10.01.2018

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Boletim Epidemiológico, v. 48, n. 30, 2017. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/2017-025-Perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil-e-a-rede-de-atencao-a-saude.pdf Acesso em 10.01.2018

CASTILHO, Paula; GOUVEIA, José Pinto; BENTO, Elisabete. Auto-criticismo, vergonha interna e dissociação: a sua contribuição para a patoplastia do auto-dano em adolescentes. Psychologica, Coimbra, v. 52, n. 2, pp. 331-360, 2010.

DUQUE, Alexandra Freches; NEVES, Pedro Gante. Auto-Mutilação em Meio

Prisional: Avaliação das Perturbações da Personalidade. Psic., Saúde Doenças, Lisboa , v. 5, n. 2, p. 215-227, nov. 2004. Disponível em

<http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-

&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 17 dez. 2018.

EDWARDS, D. Psicologia discursiva: unindo teoria e método com um exemplo. In: IÑIGUEZ, L. Manual de Análise do Discurso em Ciências Sociais. Petrópolis: Vozes, 2004.

FORTES, I. & KOTHER, M. Automutilação na adolescência - rasuras na experiência de alteridade. Psicogente, v. 20, n. 38 , pp. 353-367, 2017. Disponível em:

http://www.scielo.org.co/pdf/psico/v20n38/0124-0137-psico-20-38-00353.pdf Acesso

em 20 de Dez de 2018. http://doi.org/10.17081/psico.20.38.2556

McMAHON, Kibby et al. Childhood maltreatment and impulsivity as predictors of

interpersonal violence, self-injury and suicide attempts: A national study, Psychiatry

Research, v. 269, pp. 386-393, 2018,

https://doi.org/10.1016/j.psychres.2018.08.059.

MESQUITA, Cristina; RIBEIRO, Fátima; MENDONÇA, Liliane; MAIA, Ângela. Relações familiares, humor deprimido e comportamentos autodestrutivos em adolescentes. Psicologia da criança e do adolescente, Lisboa, v. 3, pp. 97-109,

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Boletim Epidemiológico. 2017, v. 48, n. 30.

NOCK, Mattew K. et al., Non-suicidal self-injury among adolescents: Diagnostic correlates and relation to suicide attempts. Psychiatry Resarch, n. 144, pp. 65-72, 2006.

PINTO, Agnes Caroline Souza et al. Fatores de risco associados a problemas de saúde mental em adolescentes: revisão integrativa. Rev. esc. enferm. USP,  São Paulo,  v. 48, n. 3, p. 555-564,  Jun  2014.   Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 16  Dez  2018. 

http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420140000300022

POTTER, J. Discourse Analysis. Em: HARDY, M.; BRYMAN, A. Discourse Theory and Practice: a reader. London: Sage Publications, pp. 39-46, 2004.

POTTER, J. et al. Discourse: noun, verb or social practice? Philosophical

Psychology, n. 3, v. 2, pp. 205-217, 1990.

POTTER, J.; EDWARDS, D. Discursive Social Psychology. Em: ROBISON, P. W.; GILLES, H. The New Handbook of Language and Social Psychology. West Sussex: John Wiley & Sons Ltd, pp. 103-118, 2001.

POTTER, J.; WETHERELL, M. Discourse and Social Psychology: beyond

attitudes and behaviour. London: Sage, 1987.

PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE. Diretoria de Vigilância á Saúde. Unidade de Vigilância Epidemiológica. Setor de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis. Violências Autoprovocadas no Recife 2016 – 2018.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, T. T. D. Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Rio de Janeiro: Vozes, 1998. p. 30-45.

ROSE, N. Governing by numbers: Figuring out democracy. Accounting,

Organizations and Society, v. 16, n. 7, p. 673-692, 1991.

SPINK, M. J.; MEDRADO, B. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para a análise das práticas discursivas. In: SPINK, M. J. Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Vozes, 2004.

VELOZ, Maria Cristina Triguero ; NASCIMENTO-SCHULZE, Clélia Maria ;

CAMARGO, Brigido Vizeu . Representações sociais do envelhecimento. Psicol. Reflex. Crit. 1999, vol.12, n.2, pp.479-501. ISSN 0102-7972.

VIEIRA, Marcos Girardi, PIRES, Marta Helena Rovani; PIRES, Oscar Cesar.

Automutilação: intensidade dolorosa, fatores desencadeantes e gratificantes. Rev. dor, São Paulo, v. 17, n.4, p.257-260, Dez 2016. Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 17 Dez 2018. 

http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20160084

WIGGINS, S.; POTTER, J. Discursive psychology. In: WILLIG, C.; STAINTON-ROGERS, W. The SAGE Handbook of Qualitative Research in Psychology. Sage, 2007, pp. 73-90. ISBN: 978-1-85433-204-2 Disponível em: http://strathprints.strath.ac.uk/7541/

WILKINSON, P., QIU, T., NEUFELD, S., JONES, P., & GOODYER, I. Sporadic and recurrent non-suicidal self-injury before age 14 and incident onset of psychiatric disorders by 17 years: Prospective cohort study. The British Journal of Psychiatry,

v. 212, n. 4, pp. 222-226, 2018. doi:10.1192/bjp.2017.45

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preventing suicide: a global imperative

[Internet]. Geneva: World Health Organization; 2014. Disponível em:

http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/131056/1/9789241564779_eng.pdf?ua=1&ua

=1


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.